O Retorno do Patinho Feio por Gabriel Duque Schiffner

O retorno do Patinho Feio                            

 

Em uma lagoa muito distante, perto de um lindo pomar, morava Alfonso, o mais belo cisne da região.

Um dia, Alfonso foi nadar nas águas cristalinas da lagoa, quando chegaram dois de seus melhores amigos: Alfredo e Ângelo. Eles começaram a perguntar sobre a família dele. O cisne, surpreso, não entendeu o interesse e começou a contar sua história:

- Nasci em uma pequena fazenda, nas margens de uma lagoa barrenta chamada Quaquenhá. Minha mãe é a pata Quitéria, eu era conhecido como o Patinho Feio. De tanto zombarem de mim, fugi de lá para nunca mais voltar. Jamais imaginei que viraria um cisne tão belo!

Leia mais:

O Retorno do Patinho Feio por Ana Paula Massote Pestana

O retorno do Patinho Feio                            

 

Alfonso era o mais belo cisne do lago Príncipe de Astúrias. Todos os dias, ele contemplava sua imagem refletida nas águas daquele chiquérrimo e exclusivo condomínio para aves milionárias. Mas Alfonso não se esquecia de sua origem humilde.

- Pensar que, não faz muito tempo, eu era conhecido como o Patinho Feio...

Um dia, ele sentiu saudades da mãe, dos irmãos e dos amiguinhos da escola.

No final de semana seguinte, Alfonso arrumou suas malas e foi visitar sua mãe, seus irmãos e seus amiguinhos da escola. 

Ao chegar à lagoa de Quaquenhá, o pequeno e barrento local de sua infância, Alfonso avistou sua mãe conversando com suas amigas e gritou entusiasmado:

- Mamãe, não me reconhece?

Leia mais:

O Retorno do Patinho Feio por Bruna Paixão Oliveira Meurer

O retorno do Patinho Feio                            

 

Alfonso era o mais belo cisne do lago Príncipe de Astúrias. Todos os dias, ele contemplava sua imagem refletida nas águas daquele chiquérrimo e exclusivo condomínio para aves milionárias. Mas Alfonso não se esquecia de sua origem humilde.

- Pensar que, não faz muito tempo, eu era conhecido como o Patinho Feio...

Um dia, ele sentiu saudades da mãe, dos irmãos e dos amiguinhos da escola.

No final de semana seguinte, Alfonso arrumou suas malas e foi visitar sua mãe, seus irmãos e seus amiguinhos da escola. 

Ao chegar à lagoa de Quaquenhá, o pequeno e barrento local de sua infância, Alfonso avistou sua mãe conversando com suas amigas e gritou entusiasmado:

- Mamãe, você lembra de mim?

- Meu Deus, quem é você? Nunca te vi mais gordo nem mais magro! 

Leia mais:

O Retorno do Patinho Feio por Juliana Hansen Basdão

O retorno do Patinho Feio                            

 

Alfonso era o mais belo cisne do lago Príncipe de Astúrias. Todos os dias, ele contemplava sua imagem refletida nas águas daquele chiquérrimo e exclusivo condomínio para aves milionárias. Mas Alfonso não se esquecia de sua origem humilde.

- Pensar que, não faz muito tempo, eu era conhecido como o Patinho Feio...

Um dia, ele sentiu saudades da mãe, dos irmãos e dos amiguinhos da escola. Resolveu fazer uma grande festa e convidou todos os moradores da lagoa de Quaquenhá, o pequeno e barrento local de sua infância.

Os habitantes de Quaquenhá estranharam muito o convite do tal cisne. Ninguém ali se lembrava de conhecer tão formosa ave, tão pouco, uma ave milionária. No entanto, todos aceitaram o convite por causa da curiosidade e do cardápio. O anfitrião iria servir Molusco ao molho pardo, a iguaria preferida pelos patos. 

No grande e tão esperado dia, Alfonso recebia os convidados na porta de sua mansão, quando avistou sua mãe, a pata Quitéria. Alfonso abriu suas largas asas brancas:

- Mamãe! Mamãe! Você se lembra de mim?

Leia mais:

O Retorno do Patinho Feio por Elisa Ladeira Lima

O retorno do Patinho Feio                            

 

Alfonso era o mais belo cisne do lago Príncipe de Astúrias. Todos os dias, ele contemplava sua imagem refletida nas águas daquele chiquérrimo e exclusivo condomínio para aves milionárias. Mas Alfonso não se esquecia de sua origem humilde.

- Pensar que, não faz muito tempo, eu era conhecido como o Patinho Feio...

Um dia, ele sentiu saudades da mãe, dos irmãos e dos amiguinhos da escola.

Voou até a lagoa de Quaquenhá, o pequeno e barrento local de sua infância. A pata Quitéria conversava com as amigas chocando sua quadragésima ninhada. Alfonso abriu suas largas asas brancas:

- Mamãe! Mamãe! Você se lembra de mim?

- Mamãe!? Você não é meu filho! Como uma pata poderia ser mãe de um formoso cisne?

Alfonso contou toda a sua história à mãe. Mesmo assim, ela não o reconheceu.

Leia mais:

Você está aqui: Home Textos