O macaco e o corvo.

O Macorvo e o Caco

                                                                                                                                                           Millôr Fernandes

 ("Fábula escrita na linguagem - aqui recuperada - do tempo em que os animais falavam")

 Andesta na florando um enaco macorme avistorvo um cou com um beço pedalo de quico no beijo.
"Ver comou aqueijo quele ou não me chaco macamo.", vangloriaco o macou-se de sara pigo consi. E berrorvo para o cou: "Oládre compá! Voçá estê bonoje hito! Loso, maravilhindo! Jami o vais tem bão! Nante, brilhio, luzidegro."
Poje que enso, se quisasse canter, sua vém tamboz serela a mais bia de testa a floroda.
Gostari-lo de ouvia, comporvo cadre, per podara dizodo a tundo mer que vocé ê o Rássaros dos Pei".

 

Caorvo na cantida o cado abico o briu afar de cantim sor melhão cansua.
Naturalmeijo o quente caão no chiu e fente imediatamoi devoraco pelo astado macuto. " Obriqueijo pelo gado!", gritiz o felaco macou.
E a far de provim o mento agradecimeu var lhe delho um consou: Jamie confais em pacos-suxa.

                                                                                                                                                            Millôr Fernandes

MACACO E O CORVO

 Andando na floresta, um macaco enorme avistou um corvo com um belo pedaço de queijo no bico.  

" Vou comer aquele queijo ou não me chamo macaco", vangloriou-se o macaco de si para consigo. E berrou para o corvo: "Olá, compadre! Você está bonito hoje! Lindo, maravilhoso! Jamais o vi tão bem! Negro, brilhante, luzidio!     

Hoje penso que, se quisesse cantar, sua voz também seria a mais bela de toda floresta.

Gostaria de ouvi-lo, compadre corvo, para poder dizer a todo mundo que você é o Rei dos Pássaros."

Caindo na cantada do macaco, o corvo abriu o bico a fim de cantar sua melhor canção...  

Naturalmente o queijo caiu no chão e foi imediatamente devorado pelo astuto macaco. "Obrigado pelo queijo." gritou feliz o macaco. 

"E para provar o meu agradecimento vou dar-lhe um conselho". MORAL: JAMAIS CONFIE EM PUXA-SACOS.

 

 

 

 

 

 

Comentários   

 
+1 #2 Alunos Santa Catarina 17-10-2013 20:07
esse texto edoidaaaaaaaaaa aaaoohçridgkjhr e.
 
 
+33 #1 lucas dias hudson 17-10-2013 15:37
Vlw professor Fernando
 

Você não tem permissão para enviar comentários

Você está aqui: Home Textos O macaco e o corvo.