Introdução ao estudo das Classes de Palavras

         Você já parou para pensar na importância dos alimentos em nossa vida? Poderíamos sobreviver sem comida ou ela é fundamental para nós? 

            Certamente algum dos verdadeiros pontos altos da nossa existência tem a ver com a alimentação, afinal, já nascemos agarrados aos seios de nossa mãe em busca do leite materno para matar nossa fome e para sobrevivermos. A partir desse instante, refeição após refeição, comemos porque sentimos fome; comemos para crescer, pois os alimentos fornecem ao corpo os materiais necessários para o crescimento e desenvolvimento dos nossos ossos, músculos, pele, cabelos, etc. Comemos para ter saúde e disposição, uma vez que os alimentos providenciam a energia de que o nosso corpo precisa para funcionar e ficar livre de doenças.

            Talvez você esteja pensando que comemos por todas essas razões, mas principalmente porque comer é MUITO GOSTOSO! Basta pensarmos nos alimentos de que gostamos, na nossa comida favorita, para ficarmos com a boca cheia d’água. Às vezes, o nosso prato predileto é bem simples, mas quando feito com carinho e amor por nossa mãe, avós, tias e secretárias do lar, torna-se o maior e melhor banquete do mundo. 

             Todos os alimentos são compostos de nutrientes, porém um só alimento não possui a quantidade suficiente de nutrientes de que nosso corpo precisa, por isso, necessitamos de ter uma alimentação equilibrada: nada de comer apenas batatinhas fritas ou se empanturrar de chocolate, esquecendo-se de outros alimentos, inclusive, das frutas, dos legumes e das verduras.

            Para nos ajudar a manter uma alimentação equilibrada, com todos os alimentos necessários ao bom desenvolvimento do nosso corpo, alguns profissionais, principalmente, os nutricionistas dividiram os alimentos em seis grupos:

Grupo 1:

Grupo dos pães cereais e massas: responsáveis por fornecer a energia para o nosso organismo e por isso devem ser consumidos em maior quantidade. São também conhecidos como alimentos energéticos. Nesse grupo estão os pães, macarrão, mandioca cozida, batata cozida, farinhas.

Grupo 2 e 3:

 Grupo dos vegetais e grupo das frutas: esses dois grupos apresentam funções semelhantes, pois fornecem todas as vitaminas, minerais e fibras de que precisamos para que o organismo funcione bem. Esses alimentos são chamados de reguladores, pois ajudam a controlar as reações que ocorrem no nosso corpo Nesse grupo estão os legumes e vegetais de folha como: cenoura, tomate, alface, vagem, brócolis, couve, couve-flor.

Grupo 4

Grupo das carnes, feijões, ovos e nozes: esses alimentos são chamados de construtores, pois são ricos em uma substância denominada proteína, responsável pela “construção dos músculos”. 

 Grupo 5

Grupo do leite e derivados: são importantes fontes de cálcio, um mineral responsável pela formação de ossos e dentes. Além disso, também são alimentos construtores, ou seja, também ajudam na construção dos músculos.

Grupo 6

Grupo dos açúcares e gorduras: encontram-se na parte superior da pirâmide, que é a mais estreita, pois é o grupo de alimentos que deve ser consumido em menor quantidade. Nesse grupo estão os doces, chocolate, chicletes, salgadinhos, açúcar, manteiga, óleo.

            Essa divisão foi feita com base na forma, na propriedade e na função que os alimentos apresentam sozinhos ou misturados a outros para formarem uma refeição equilibrada, gostosa e saudável.

            Antes de continuar nosso papo, quero esclarecer uma coisa: talvez você esteja se perguntando o porquê deste texto. Ele não seria mais adequado para a aula da professora Juliana ou da professora Lissandra? Com certeza seria muito propício para as aulas de Ciências, no entanto, estou querendo aproveitar um tema de que todo mundo gosta (alimentação, comida) para chamar a sua atenção para outro assunto de que todos deveriam gostar: usar as palavras (tanto na modalidade oral quanto escrita) nos mais variados tipos de textos a que estamos expostos.

            Na verdade, quero fazer uma analogia, ou seja, uma comparação entre os alimentos que usamos para preparar nossas refeições e as palavras que utilizamos para montar nossos textos.

            Como existem os nutricionistas que analisam as propriedades e funções dos alimentos, há cientistas chamados de linguistas que estudam as palavras de um idioma. Os nossos profissionais da língua também dividiram os vocábulos em 10 grandes grupos (que chamamos de classe de palavras ou classe gramatical) para facilitar o uso deles na montagem de um texto:

 SUBSTANTIVOS: palavrinhas que dão nome a todas as coisas existentes no mundo e a tudo que sentimos.

ADJETIVOS: palavrinhas usadas para caracterizar um substantivo ou diferenciá-lo um do outro.

ARTIGOS: grupo de palavrinhas bem pequeno (o, os, a, as, um, uns, uma, umas) usado para determinar ou indeterminar o substantivo, entre outras funções.

PRONOMES: palavrinhas usadas para acompanhar ou substituir o substantivo ou o próprio pronome.

NUMERAIS: palavrinhas usadas para indicar quantidade numérica.

VERBOS: palavrinhas usadas para indicarem, principalmente, ações.

ADVÉRBIOS: palavrinhas usadas para modificarem o verbo, o adjetivo ou o próprio advérbio.

PREPOSIÇÕES: palavrinhas de pequena extensão que servem para ligar um elemento ao outro, em uma frase.

CONJUNÇÕES: palavrinhas usadas para ligarem uma oração a outra.

INTERJEIÇÕES: palavrinhas que, por si sós, formam frases que exprimem uma emoção, uma sensação, uma ordem, um apelo ou descrevem um ruído.

             Você já deve estar “torcendo o nariz” pensando não ter a intenção de estudar nutrição ou tão pouco de aprender a preparar refeições ou sequer imagina tornar-se um cientista da língua ou um grande escritor. Eu, como adoro usar a linguagem para ensinar, informar, argumentar, interagir, desmonto os seus argumentos rapidinho: não é preciso ser um nutricionista, um grande chef para preparar saborosos pratos (ou alimentar-se melhor), assim como não é necessário ser um linguista ou escritor para produzir bons textos que atendam ao objetivo de comunicação. O mais importante é conhecer melhor os alimentos e as palavras para, respectivamente, alimentar-se e comunicar-se adequadamente.

            Tenho certeza de que aquele bolo de chocolate, aquela lasanha de domingo, aquele pãozinho quentinho de manhã de que você tanto gosta, não foi preparado por nenhum grande chef. Um dos meus pratos preferidos é rocambole de doce de leite, e uma das memórias mais agradáveis do meu tempo de criança é o sabor daquela sobremesa feita por minha avó. Até hoje não consegui saborear um rocambole tão gostoso igual ao feito por ela, uma modesta camponesa que conhecia suficientemente os alimentos para poder juntá-los e montar deliciosos pratos.

            São essas refeições simples, preparadas por alguém querido que se tornam nossas iguarias prediletas e nos fazem sentir saudades e nostalgia de sabores, lugares e pessoas. E já que estamos falando de palavras, eu não poderia deixar de me referir a um simples bolinho (feito com farinha de trigo, açúcar, manteiga e flor de laranjeira) responsável por inspirar um dos episódios mais importantes e lembrados de uma das mais importantes obras literárias da França e da literatura mundial: “Em busca do tempo perdido”, de Marcel Proust, narrativa de memória composta de sete volumes. Nesse episódio, o narrador personagem estava em um café na França e fora lhe servido, casualmente, o biscoito que não comia há tempos, chamado “Madeline”. Ao mergulhá-lo em uma xícara de chá e levá-lo à boca, toda a memória dos tempos de criança vem à cabeça do personagem: E de súbito a lembrança me apareceu. Aquele gosto era o do pedacinho de Madeleine que minha tia Léonie me dava aos domingos pela manhã em Combray…”, narra Proust.

            Não são somente os sabores dos alimentos que nos remetem a coisas boas da vida. As palavras também têm esta deliciosa magia: os textos feitos com elas são muitas vezes relidos, retomados, recriados e lembrados. Precisa de um exemplo? Acabei de dar um no parágrafo anterior. Lembrei-me das famosas “Madeline” de Proust porque, apesar de ter lido o livro há uma década, acho essa passagem a mais bela definição para a palavra saudade.

            Para prepararmos os nossos textos, usamos as palavras de nossa língua e o nosso conhecimento sobre elas: não precisamos ser nenhum cientista ou escritor para juntá-las e formar um texto coerente, bem feito, capaz de atingir a nossa intenção comunicativa. Ao saber as características, as formas e as propriedades dos vocábulos, poderemos utilizá-los de maneira mais adequada ao nosso texto.

 Umas das substâncias principais de um bolo é a farinha de trigo, responsável por dar maciez à massa, no entanto, não é preciso ser um profissional da culinária para saber que um bolo de chocolate não pode ser feito apenas com esse ingrediente. Da mesma forma não é imprescindível ser um grande escritor para perceber que os substantivos são muito importantes nos textos, mas eles, sozinhos, não poderão formar uma narrativa sem a ajuda dos adjetivos, essenciais para descrever pessoas, lugares e emoções. Em uma narrativa de aventura, por exemplo, além do uso dos substantivos e adjetivos, não se pode esquecer o papel dos verbos. São eles que produzirão no texto a ideia de ação, tão fundamental nesse gênero textual.

            A partir de agora até o término do ensino médio, um dos assuntos das aulas de Língua Portuguesa serão as classes de palavras. Neste ano, vamos conhecer um pouquinho de algumas delas. A cada etapa da sua vida escolar, o conhecimento desse conteúdo vai se ampliando, por isso, para não perder “o fio da meada”, será preciso muita atenção nas aulas. O conteúdo de Substantivos, por exemplo, vai ser muito importante para entender os Adjetivos, os Pronomes, os Verbos, os Artigos... Daqui a quatro anos, quando você estiver no ensino médio e for aprofundar seus conhecimentos sobre os Substantivos irá precisar de todo o conteúdo estudado nos anos anteriores sobre essa classe.

            Comparando novamente alimento com palavra, refeição com texto, tenho certeza de que, com muita dedicação, começaremos aprendendo a fritar um “ovo” e, no final de nossos estudos, estaremos aptos a preparar um delicioso bolo de chocolate. E por falar em bolo de chocolate, são umas delícias os morangos, as cerejas, as raspas de chocolate que, comumente, enfeitam esse doce. Pois é, também não podemos nos esquecer de que, na escrita, a ortografia, a acentuação e a pontuação são, respectivamente, os morangos, as cerejas e as raspas de chocolate de um excelente texto. Bom apetite! Ops..., bons textos!

                                                                                                                                         Fernando de Paiva Martins

 

 

Comentários   

 
+14 #66 Victoria Souza Rodrigues 17-06-2014 19:30
11)Sim, o meu prato favorito é doce de leite com morangos e quem prepara é minha avó.
12)eu daria o título de Aprendendo c com c (classes gramaticais com comida).
13)Eu daria o nome de Delicious delights cake mixed .
Victória 6º ano C ;-) 8) :D
 
 
+11 #65 priscila lucas felippe 17-06-2014 14:47
11-o meu prato preferido e o macarrão a bolonheza preparado pelo meu avô.
15-eu daria o titulo de aprender é gostoso.
16-eu daria o nome de sabor do aprender.
priscila 6º ano c.
:lol:
 
 
+7 #64 Mariana 16-06-2014 20:28
11) Sim, ele é canelone e quem o prepara é minha mãe.

15) Daria o título de " Comidas e palavra ".

16) Daria o nome de " A sobremesa do Fernando !"

Mariana da Silveira Alfeld - 6º ano C
 
 
+7 #63 Lucca 16-06-2014 18:30
11)Eu tenho um prato preferido,cacho rro quente,quem o prepara é minha mãe.
15)Daria o título ´´escola e cozinha``.
16)A sobremesa se chamaria Fernandoce de leite com brigadeiro do ovomaltine.
Lucca Pimenta :lol:
 
 
+5 #62 pedro loures 16-06-2014 14:17
11)Sim,meu prato favorito é o bolo.Os bolos preparados pela minha mãe são muito bons!

15)Eu daria ao texto o nome:Palavras comestíveis.

16)Eu nomearia a sobremesa de:Sorvete de Palavras ou
Mousse de Textos.

Pedro Loures-turma C
 
 
+7 #61 Helena 16-06-2014 13:05
11)Você tem um prato preferido?Qual é?Quem o prepara?
Resposta:Sim,o meu prato preferido é Macarrão com bife a milanesa,quem o prepara é a minha mãe.
15)Qual o título que você daria ao texto produzido pelo professor?
Resposta:Vamos aprender de um jeito diferente?
16)Qual o nome que você daria para a sobremesa preparada pelo professor?
Resposta:Delícia do céu
 
 
+5 #60 ana carolina 06-06-2014 13:39
11)meu prato preferido é lasanha de presunto e queijo e quem faz é a minha madrinha.
15)o título seria:Textos e Comidas: uma delícia!
16)o nome seria:Goiabada de Polenguinho
 
 
+2 #59 Maria Eduarda Martins Alves 05-06-2014 21:24
adorei os jogos fernando.galera e mt bom joguem!!!!
:D
 
 
+4 #58 Maria Eduarda Martins Alves 05-06-2014 21:09
11-O meu prato preferido é fricasse.Quem o prepara e minha avó
15-O sabor dos textos
16-goiapolengo
 
 
+3 #57 Ana Clara Lima Zeman 05-06-2014 16:51
Sim,meu prato favorito se chama knedlik.Quem prepara é a minha mãe!
Palavras,o ingrediente certo para um bom texto!
Polengoiaba :-)
 

Você não tem permissão para enviar comentários

Você está aqui: Home Diário de Classe Introdução ao estudo das Classes de Palavras